Kratos
Mitologia

Kratos


۞ ADM Sleipnir


Kratos, personagem da franquia de jogos "God Of War"


Na mitologia grega, Kratos (grego Κράτος, "força") é a personificação da força e do poder. As grafias "Cratus" e "Cratos" também são usadas para nomeá-lo. Kratos é filho do titã Palas e da ninfa Estige. Seus irmãos são Nike (deusa grega da vitória), Bias (deusa grega da força) e Zelo (deus grego da rivalidade). 

Os quatro eram frequentemente descritos como os protetores alados de Zeus, e foram os primeiros a ficar ao lado de Zeus , enquanto ele defendia o Monte Olimpo do ataque do  monstro Tifão. Kratos não desempenha um grande papel no mito grego, mas sua influência na mitologia moderna parece ser forte.


Na mitologia moderna

Apesar de Kratos na mitologia grega ser o deus do poder, o seu nome  é provavelmente mais conhecido nos tempos modernos por batizar o personagem principal da popular série de jogos da Sony, "God of War". Aparentemente, o título de deus da guerra não se refere à Kratos , mas ao deus grego da guerra, Ares, que desempenha um papel na trama.

Embora o caráter de Kratos na série supostamente não ser derivado do deus do poder, há muitos indícios dentro do jogo e da sua criação, que sugerem que a conexão é mais forte do que se pode acreditar.

Por exemplo, a história se passa na Grécia antiga e tem muitos dos famosos deuses e deusas gregos envolvidos. O personagem Kratos é um mortal que tem uma relação tênue com os deuses. Mas várias das características do personagem Kratos vêm do mito grego. Os designers alegaram que eles queriam que ele parecesse o mais "grego e brutal" possível, o que se encaixa bem com a imagem do Kratos da mitologia grega.



Mais revelador, talvez, seja fato de que as correntes são um importante item do personagem, tanto no uso físico e como armamento. Isso poderia ser visto como um vínculo ao  papel do Kratos da mitologia grega, na história de Prometeu, pelo menos de acordo com o antigo poema "Prometeu Acorrentado" de Ésquilo. No poema, Kratos, em nome de Zeus, diz ao deus ferreiro Hefesto para acorrentar Prometeu às rochas de uma montanha para que lhe sirva de punição por dar o fogo ao humanos.

Abaixo, um trecho de "Prometeu Acorrentado":



[A cena é o pico duma montanha deserta. Chegam Kratos e Bias, que trazem preso Prometeu; segue-os, coxeando, Hefesto, carregando correntes, 
cravos e malha.]

Kratos: Eis-nos chegados a um solo longínquo da terra, caminho da Cítia, deserto ínvio. Hefesto, é mister te desincumbas das ordens enviadas por teu pai, acorrentando este celerado, com liames inquebráveis de cadeias de aço, aos rochedos de escarpas abruptas. Ele roubou uma flor que era tua, o brilho do fogo, vital em todas as artes, e deu-a de presente aos mortais; é preciso que pague aos deuses a pena desse crime, para aprender a acatar o poder real de Zeus e renunciar o mau vezo de querer bem à Humanidade.

Hefesto: Kratos e Bias, a incumbência de Zeus para vós está terminada; nada mais vos embarga. Eu, porém, não me animo a agrilhoar à força um deus meu parente a um píncaro aberto às intempéries. Todavia, é imperioso criar essa coragem; é grave negligenciar as ordens de meu pai. Filho de Têmis bem avisada, cheio de ousados intentos, vou, grado meu, mau grado teu, prender-te com cravos de bronze impossíveis de arrancar a este penhasco deserto, onde não ouvirás a voz nem verás o vulto de nenhum mortal. Crestado pela chama ardente do sol, perderás o viço da pele; o manto matizado da noite, para teu gáudio, virá cobrir a luz, e o sol dissipará de novo as brumas da aurora, mas serás triturado pelo acabrunhamento da desgraça, sempre presente, porque ainda está por nascer o teu libertador. Eis o que te rendeu o vezo de querer bem à Humanidade. Tu, um deus, não te encolheste de medo à cólera dos deuses e entregaste, com violação da justiça, as suas prerrogativas aos mortais; em paga, montarás guarda a este penhasco desprezível, de pé, sem dormir, sem dobrar os joelhos. Debalde exalarás gemidos e ais sem fim, porque inexorável é o coração de Zeus; todo poder recente é implacável.

Kratos: Basta! Para que te atardares em lástimas perdidas? Por que não abominas o deus mais odioso aos deuses, que entregou aos mortais um privilégio teu?

Hefesto: O parentesco e a amizade são forças formidáveis.

Kratos: Concordo, mas como se podem transgredir as ordens de teu pai? Isso não te infunde medo?

Hefesto: Tu és sempre cruel e audacioso.

KratosLamentos não curam os seus males; não te canses à toa em lástimas ineficazes.

Hefesto: Oh! Que ofício detestável!

Kratos: Detestável por quê? Tua arte, francamente, culpa nenhuma tem nestas aflições.

Hefesto: Ainda assim, oxalá ela o quinhão dalgum outro.

Kratos: Todos os quinhões foram negociados, menos o de comandar os deuses; ninguém é livre senão Zeus.

Hefesto: Bem sei; a isso não posso replicar.

Kratos: Então, mãos à obra! Envolve-o nas cadeias; que teu pai não te aviste parado.

Hefesto: Ele pode ver-me com as correntes nas mãos.

Kratos: Põe-lhe as cadeias em torno dos braços, martela com toda a força e prega-o na rocha.

Hefesto: O trabalho avança e sai a contento.

Kratos: Bate mais forte, aperta, não deixes folga; ele é hábil em descobrir saídas até onde não existem.

Hefesto: Este braço está preso, de não se poder soltar.

Kratos: Fixa também este solidamente, para ele aprender que sua astúcia não é tão ágil como a de Zeus.

Hefesto: Ninguém poderá reclamar com razão de meu trabalho, exceto ele.

Kratos: Agora, finca-lhe firmemente no peito o dente duro duma cunha de aço.

Hefesto: Ai! Prometeu, gemo baixinho por teus sofrimentos.

Kratos: Estás outra vez remanchando e lastimando um inimigo de Zeus? Cuidado, não venhas um dia a chorar por ti mesmo!

Hefesto: Não estás vendo um espetáculo triste de ver?

Kratos: Eu o vejo receber o que merece. Vamos, passa-lhe um cinto em torno dos flancos.

Hefesto: Não posso evitar de fazê-lo; não precisas exortar-me.

Poder: Pois não só te exortarei, mas até instarei contigo. Desce e mete-lhe à força umas grilhetas nas pernas.

Hefesto: Pronto. Não deu muito trabalho.

Kratos: Crava-lhe agora agora fortemente umas peias penetrantes; quem fiscaliza a obra é rigoroso.

Hefesto: Tua linguagem afina-se com tua figura.

Kratos: Sê brando tu, mas não censures minha rigidez e a crueza de minha índole.

Hefesto: Podemos ir. Seus membros já estão amarrados.

Kratos (a Prometeu): Abusa, agora! Furta aos deuses seus privilégios para entregá-los aos seres efêmeros. Que alívio te podem dar deste suplício os mortais? Errados andaram os deuses em te chamarem Prometeu; tu mesmo precisas de alguém que te prometa um meio de safar-te destes hábeis liames!

[Retiram-se Kratos, Bias e Hefesto.]







loading...

- Kratros - A Traição De Zeus
#ADM Kratos LEMBRANDO: ESTE POST CONTEM SPOILERS PESADOS SOBRE A HISTORIA DO GAME E SE VOCÊ AINDA FOR JOGAR O JOGO PENSE DUAS VEZES ANTES DE LER! Na minha humilde opinião foi o jogo que mais me envolveu na historia, mas deixando isso...

- Hefesto
#ADM Kratos Hefesto era conhecido como deus grego do fogo ou Vulcano e também protetor das atividades relacionadas ao metal, era filho de Zeus e de Hera. Comenta-se que o deus do fogo teria nascido muito feio e com aparência...

- Kratos - A Origem
#ADM Kratos AVISO: ESTE POST CONTEM SPOILERS PESADOS SOBRE A HISTORIA DO GAME E SE VOCÊ AINDA FOR JOGAR O JOGO PENSE DUAS VEZES ANTES DE LER! Como o titulo do post já diz vamos falar sobre origem desse personagem que é considerado um dos mais violentos...

- God Of War
            God of War é um jogo eletrônico de ação-aventura para os consoles PlayStation 2, Lançado em Março de 2005, foi a primeira cota da série God of War, que é baseado na mitologia...

- Adamanto
۞ ADM Sleipnir Adamanto (do grego αδαμας, adamas, "indomável") é um material, presumivelmente metálico, descrito na mitologia grega como duríssimo e indestrutível, que só Hefesto conseguia trabalhar. Eram feitas de adamanto, por...



Mitologia








.