Querubins
Mitologia

Querubins


۞ ADM Demon Girl


Os Querubins (do hebreu כרוב - keruv, ou do plural כרובים – keruvim) são seres misteriosos, uma categoria de anjos da tradição judaico-cristã, também mencionados em tradições mais antigas às vezes mostrando formas híbridas de homem e animal. Maimônides e a maior parte da tradição judaica os põem no penúltimo degrau da hierarquia angélica, embora anjos descritos de maneira quase idêntica, os Chayot Ha Kadesh, estejam no mais alto dos degraus. Já a tradição cristã põe os querubins em segundo lugar, abaixo apenas dos serafins, no entanto para alguns teólogos, ocupam o topo da hierarquia, pois alguns não consideram os serafins como anjos, uma vez que a palavra hebraica para anjo é "malak" (mensageiro) e da mesma forma no grego, anjo é "angelus" (mensageiro) e estas figuras aladas que aparecem, na Bíblia, apenas em Isaías capítulo 6, onde exaltam a Deus, mas não comunicam mensagens ao profeta.

O hebraico cherub parece ser cognato do assírio kuribu, do acadiano kuribue do babilônio karabu. A palavra assíria significa "grande", "poderoso", enquanto os termos acadiano e babilônico significam "propício", "abençoado". Esses nomes foram frequentemente usados para se referir aos shedu ou lamassu, espíritos que servem aos deuses e levam a eles as preces dos humanos. Representados com corpo de touro (shedu) ou leão (lamassu), cabeça humana e asas, que costumavam ser esculpidos como guardiões nas entradas de templos e palácios.

Lamassu
Também foi sugerida uma relação etimológica com o grego grypos (grifo), animal mítico que na arte hitita era representado na postura de guardião e que os gregos imaginavam protegendo tesouros divinos ou puxando os carros dos deuses. Em Knossos, Creta, grifos flanqueavam o trono do rei e em Hagia Triada, um sarcófago os mostra puxando o carro de uma deusa.

Grifo
As esfinges egípcias, com ou sem asas, desempenhavam papel semelhante. Na Fenícia e em Canaã, mais próximas do universo cultural dos antigos hebreus, esfinges aladas, claramente inspiradas na arte egípcia, desempenham papéis semelhantes e provavelmente originaram a concepção hebraica original do querubim. Uma placa cananéia de marfim encontrada em Megido mostra a figura de um rei sentado sobre um ser alado semelhante a uma esfinge, como na visão dos querubins por Ezequiel.

Esfinge
A primeira aparição de um querubim na Bíblia dá-se precisamente no papel de guardião do Éden, posto à entrada do jardim por Yahweh com uma espada flamejante para impedir a entrada de humanos. No Êxodo, aparecem como esculturas que protegem a Arca da Aliança com suas asas; no livro dos Reis, representados em painéis do templo ao lado de bois e leões e, no santuário, como um par de grandes estátuas em atitude semelhante à dos touros alados mesopotâmicos. Outras passagens assinalam que Yahweh senta ou monta sobre os querubins (livro de Samuel, Isaías), ou que estes puxam seu carro (Crônicas, Eclesiástico). Tudo indica que antes do Exílio os querubins eram imaginados como animais alados semelhantes a grifos ou esfinges.

Mais tarde os querubins tomam uma forma mais complexa, como foi registrada no primeiro capítulo do livro de Ezequiel, escrito no Exílio, quando os judeus viviam em meio à cultura babilônica:
E do meio dela saía à semelhança de quatro seres viventes (Chayot). E esta era a sua aparência: tinham a semelhança de homem. E cada um tinha quatro rostos, como também cada um deles quatro asas. E os seus pés eram pés direitos; e as plantas dos seus pés como a planta do pé de uma bezerra, e luziam como a cor de cobre polido. E tinham mãos de homem debaixo das suas asas, aos quatro lados; e assim todos quatro tinham seus rostos e suas asas. Uniam-se as suas asas uma à outra; não se viravam quando andavam, e cada qual andava continuamente em frente. E a semelhança dos seus rostos era como o rosto de homem; e do lado direito todos os quatro tinham rosto de leão, e do lado esquerdo todos os quatro tinham rosto de boi; e também tinham rosto de águia todos os quatro. Assim eram os seus rostos. As suas asas estavam estendidas por cima; cada qual tinha duas asas juntas uma à outra, e duas cobriam os corpos deles.
No décimo capítulo, a descrição é repetida em termos muito semelhantes, exceto que se diz que os quatro rostos eram de homem, leão, querubim e águia, sugerindo que o rosto bovino é o mais próprio aos querubins, como também assinalam suas "patas de bezerra". Além disso, os querubins são associados a rodas, consideradas pela tradição judaica como outra categoria de anjos, os ophanim:
E o ruído das asas dos querubins se ouviu até ao átrio exterior, como a voz do Deus Todo-Poderoso, quando fala. Sucedeu, pois, que, dando ele ordem ao homem vestido de linho, dizendo: Toma fogo dentre as rodas, dentre os querubins, entrou ele, e parou junto às rodas. Então estendeu um querubim a sua mão dentre os querubins para o fogo que estava entre os querubins; e tomou dele, e o pôs nas mãos do que estava vestido de linho; o qual o tomou, e saiu. E apareceu nos querubins uma semelhança de mão de homem debaixo das suas asas. Então olhei, e eis quatro rodas junto aos querubins, uma roda junto a um querubim, e outra roda junto a outro querubim; e o aspecto das rodas era como a cor da pedra de berilo. E, quanto ao seu aspecto, as quatro tinham uma mesma semelhança; como se estivesse uma roda no meio de outra roda. Andando estes, andavam para os quatro lados deles; não se viravam quando andavam, mas para o lugar para onde olhava a cabeça, para esse seguiam; não se viravam quando andavam. E todo o seu corpo, as suas costas, as suas mãos, as suas asas e as rodas, as rodas que os quatro tinham, estavam cheias de olhos ao redor. E, quanto às rodas, ouvindo eu, se lhes gritava: Roda! E cada um tinha quatro rostos; o rosto do primeiro era rosto de querubim, e o rosto do segundo, rosto de homem, e do terceiro era rosto de leão, e do quarto, rosto de águia. E os querubins se elevaram ao alto; estes são os mesmos seres viventes que vi junto ao rio Quebar.

Querubim
No Novo Testamento, o Apocalipse dá uma descrição similar, mas funde os atributos dos querubins de Ezequiel com os de suas rodas cheias de olhos e ainda os dos serafins de Isaías, atribuindo aos querubins seis asas e o cântico de "Santo, Santo, Santo":

E havia diante do trono como que um mar de vidro, semelhante ao cristal. E no meio do trono, e ao redor do trono, quatro animais cheios de olhos, por diante e por detrás. E o primeiro animal era semelhante a um leão, e o segundo animal semelhante a um bezerro, e tinha o terceiro animal o rosto como de homem, e o quarto animal era semelhante a uma águia voando. E os quatro animais tinham, cada um de per si, seis asas, e ao redor, e por dentro, estavam cheios de olhos; e não descansam nem de dia nem de noite, dizendo: Santo, Santo, Santo, é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, que era e que é, e que há de vir.
Esta imagem dos querubins é a que foi transmitida aos cristãos e que predomina nas representações medievais. Entretanto, a partir da Renascença, bebês alados, representação de almas puras chamadas propriamente de putos (putti), foram também erroneamente chamados de "querubins". Daí vem termos como "querubinismo", dado a uma má-formação congênita que resulta em rostos exageradamente bochechudos.

Na angelologia católica, os querubins são tidos como guardiões da luz, das estrelas, do trono de Deus e do Paraíso. Têm o poder de conhecer e contemplar a Deus, e serem receptivos ao mais alto dom da luz e da verdade, à beleza e à sabedoria divinas em sua primeira manifestação. Estão cheio do amor divino e o derramam sobre os níveis abaixo deles.

Por estarem mais identificados com o a divina sabedoria e o conhecimento universal, seriam os anjos mais propensos ao pecado do orgulho. Satanás ou Satã, o líder dos anjos caídos, era um querubim descrito de forma diferente dos demais, pois era o anjo mais próximo de Deus, possuindo a aparência de um grande dragão vermelho ele era chamado de "o querubim ungido”.

Batalha entre os anjos (Satã contra São Miguel)



loading...

- Keythong
۞ ADM Sleipnir O Keythong é um criatura semelhante a um grifo sem asas, descrito pela primeira vez em um manuscrito inglês sobre heráldica do séc XV. Assim como o grifo, ele possui o corpo de um leão e a cabeça e as patas dianteiras de uma...

- Raziel
۞ ADM Sleipnir Raziel é o arcanjo mantenedor dos conhecimentos ocultos, de acordo com os ensinamentos da Cabala (judaísmo). Na primeira referência, no apócrifo Livro dos Segredos de Enoque, ele é chamado Reuel ou Rasuel. O nome Raziel significa...

- Serafim
۞ ADM Demon Girl Serafins (do hebraico seraph, plural seraphim) são, segundo a Angelologia, anjos de seis asas, e uma categoria de anjos da tradição judaico-cristã. Na tradição judaica estão em um patamar intermediário...

- As Linhas De Nazca
۞ ADM Lenneth As Linhas de Nazca são geóglifos e linhas direitas no deserto Peruano. Foram feitas pelo povo Nazca, que floresceu entre 200 a.C. e 600 d.C. ao longo de rios que desciam dos Andes. O deserto estende-se por mais de...

- Grifo
۞ ADM Sleipnir O Grifo é uma criatura lendária originária das mitologias do Oriente Médio e de forte presença na mitologia grega. O nome do animal é derivado do latim medieval gryphus, derivado por um erro ortográfico comum do latim...



Mitologia








.