Ankou
Mitologia

Ankou


۞ ADM Sleipnir

"Quando o Ankou aparece, ele não vai embora de mãos vazias" - Provérbio Irlandês
Ankou (em bretão: Ankoù) é a personificação da morte, e sua figura é oriunda do folclore dos países celtas. Ele seria a reminiscência de deuses relacionados à morte, que com a cristianização da Europa, acabaram sendo transformados em personagens folclóricos ou históricos.  Ankou foi em grande parte esquecido na Cornualha, no País de Gales e na Irlanda, mas continua a fazer parte do folclore da Bretanha, onde passou a ser considerado um “auxiliar da morte”.

O Ankou possui muitas formas, sendo comumente representado como uma figura esquelética e desengonçada, com longos cabelos brancos e uma cabeça capaz de virar para todos os lados, possibilitando que ele enxergue em todas as direções. Ele usa um traje preto e um grande chapéu que esconde seu rosto. Às vezes ele é descrito como um ceifeiro, ostentado uma foice com um cabo composto de ossos humanos. Ele dirige um velho vagão ou uma carroça, puxada por cavalos negros ou pálidos (a quantidade deles varia de conto para conto), e geralmente surge acompanhado por duas figuras fantasmagóricas. Dizem que quando um vivo escuta o som do veículo rangendo não tardará a morrer. Também dizem que todos aqueles que vêem o Ankou morrem dentro de um ano.


Lendas

Existem muitas histórias envolvendo a figura do Ankou. De acordo com algumas delas, Ankou seria o primeiro filho de Adão e Eva. Na Bretanha, as histórias relatam que o Ankou é o fantasma da última pessoa à morrer no ano (embora ele seja sempre descrito como sendo adulto e masculino), e recebe a tarefa de recolher a alma dos outros mortos, antes de poder enfim ir para o além. 

Uma história bem conhecida é contada no livro de mitos, lendas e músicas bretanhas, compilado e publicado em 1839 por Théodore Hersart de la Villemarqué, "Barzaz Breiz"Envolve a história de três jovens amigos que voltavam certa noite para casa embriagados. No caminho, encontraram um homem idoso vestido de preto sobre uma velha carroça de madeira. Dois dos amigos começaram a insultar o homem, depois atiraram pedras nele e quebraram o eixo de seu carro, antes de seguirem seu caminho. O terceiro amigo se sentiu mal, e decidiu parar e ajudar o homem. Ele substitui o eixo quebrado da carroça por um ramo e usa seus próprios cadarços para amarrá-lo ao carro. Na manhã seguinte, os dois amigos que tinham agredido o homem estavam mortos, enquanto aquele que ficou para ajudá-lo foi poupado, mas seus cabelos ficaram brancos. 



Uma outra história alega que o Ankou foi no passado um príncipe cruel que tolamente desafiou a morte. O príncipe, propenso a acessos de raiva e ciúmes vício mesquinho, adorava caçar. O momento da morte, assim como a dor de seus companheiros, era como o leite da mãe dele. Uma noite, durante o Sabbath, o príncipe decidiu ter algum esporte em sua floresta. Enquanto perseguia um cervo branco (animal mágico encontrado em vários contos de fadas celtas), ele e seus companheiros se depararam com uma figura enorme e sombria, montada em um magnífico cavalo branco (outro símbolo da morte). Irritado por encontrar o misterioso homem em suas terras, o príncipe o desafiou a uma caçada ao cervo branco. Quem o matasse primeiro não só ficaria com sua carne e sua pele, mas também poderia determinar o destino do perdedor. O estranho prontamente concordou. Sua voz lembrando os homens reunidos do som das folhas raspando contra as paredes do castelo.

A caça terminou tão rápido que o príncipe mal podia gaguejar. Não importava o quão rápido ele galopasse, o estranho galopava mais rápido. Correndo pelos campos e montanhas, o estranho permaneceu na liderança, enquanto os ventos da noite balançavam sua capa de forma frenétcia. Enquanto o príncipe ainda preparava seu arco para atirar, o estranho já havia abatido o cervo.


Insatisfeito, o príncipe ordenou que seus homens cercassem o estrangeiro, gabando-se de que ele iria trazer dois troféus de volta para o seu castelo naquela noite. O estranho riu, e bradou:
"Você pode ficar com o cervo," ele disse, "e todos os mortos do mundo. Sua alegria é a caça ? Cace então! Seus troféus serão encontrados em lares e nos campos de batalha, e eles terão um cheiro fétido, caçador. "






loading...

- A Pequena Sereia: De Christian Andersen
           O conto gira ao torno de uma sereia que vive num reino subaquático com seu pai, o Rei dos Mares; sua avó; e suas cinco irmãs mais velhas, cada uma com um ano de diferença. Quando uma sereia atingir os 15...

- Helhest
۞ ADM Sleipnir O Helhest ou Helhesten ("cavalo de Hel'') é uma criatura presente no folclore dinamarquês e também na região de Schleswig. É um cavalo com apenas três pernas, cego, e às vezes sem cabeça,...

- Rei Arthur
۞ ADM Sleipnir O Rei Arthur foi um lendário personagem britânico, cuja vida e obra tornaram-se a base para uma coleção de contos conhecidos como as Lendas Arturianas. Como uma figura de destaque na mitologia britânica, o Rei Arthur é um herói...

- Merlin
#ADM Sleipnir Nas lendas sobre o Rei Arthur, o rei teve a ajuda e os conselhos de um poderoso mago chamado Merlin. Na verdade, este mágico, que arranjou o nascimento de Arthur e muitos aspectos da sua vida, pode ser visto como a força condutora...

- A Lenda Do Cavaleiro Sem Cabeça
۞ ADM Sleipnir O Cavaleiro sem Cabeça (Gan Ceann), ou Durahan (do irlandês Dullahan) é uma aterrorizante criatura lendária e imortal, geralmente vista sem cabeça cavalgando um cavalo negro (também sem cabeça) e levando a própria cabeça...



Mitologia








.